Ir para o conteúdo

Nova resposta para uma das principais pandemias do século XXI – a diabetes tipo 2

A consulta multidisciplinar do pé diabético – que arrancou no mês de abril – destina-se exclusivamente a doentes do HFZ-Ovar.

O Hospital Dr. Francisco Zagalo – Ovar (HFZ-Ovar) tem uma nova resposta para aquela que é considerada uma das principais pandemias do século XXI (a diabetes tipo 2), disponibilizando uma consulta multidisciplinar do pé diabético.

“O pé diabético é das complicações crónicas mais graves da diabetes, sendo o primeiro motivo de internamento hospitalar prolongado relacionado com a doença”, afirma o médico internista João Faria, que coordena a equipa responsável pela consulta.

De acordo com os mais recentes dados estatísticos, em Portugal estima-se que cerca de 13 por cento da população adulta (20-79 anos) é diabética.

“O risco de um diabético vir a desenvolver uma úlcera ao longo da vida pode atingir os 25 por cento. A ulceração do pé na maior parte das vezes evolui para a amputação que é a catástrofe do pé diabético”, explica, salientando que mercê, sobretudo, deste tipo de serviço multidisciplinar “entre 2010 e 2016 verificou-se uma diminuição no número de amputações em Portugal, de acordo com dados oficiais”.

Geralmente, o pé diabético ocorre em áreas onde há lesão dos nervos e perda de sensibilidade (neuropatia). Perturbações da circulação (isquemia) e deformidades do pé ou das unhas são outras causas de pé diabético.

Na neuropatia, a sensibilidade do pé a pequenos traumas fica muito reduzida, o que permite a ocorrência de lesões da pele, que favorecem o aparecimento de infeções.

“Em tese, o objetivo da consulta é através de medidas preventivas e de uma intervenção atempada evitar – ou pelo menos mitigar – complicações futuras”, frisa o clínico, apontando os pilares que estão na base da prevenção desta patologia: “dieta, exercício físico, controlo do açúcar (glicemia), controlo dos fatores de risco associados como a hipertensão, obesidade, colesterol, e os cuidados a ter com os pés”.

“Uma equipa multidisciplinar do pé diabético previne lesões (em particular a amputação), melhora a qualidade de vida do doente e baixa, consequentemente, os custos em saúde”, acrescenta João Faria.

A consulta multidisciplinar do pé diabético – que arrancou no mês de abril – destina-se exclusivamente a doentes do HFZ-Ovar.

A equipa é constituída por médico de medicina interna, cirurgião geral, enfermeira e podologista.

imagem do post do Nova resposta para uma das principais pandemias do século XXI – a diabetes tipo 2
Partilhar: